Edição 268

O quanto a produtividade de uma empresa está relacionada ao layout de seu espaço de trabalho? Por essa questão começam os projetos de interiores corporativos e é essa a pergunta que guia pesquisadores das principais empresas de mobiliário na hora de lançar seu próximo produto. Entender como são as relações de trabalho hoje é imperativo para saber que tipo de mobiliário é necessário produzir - e isso não significa apenas pensar em um novo modelo de estação de trabalho, significa criar novos conceitos.

Designers e a equipe de marketing da Shaw Contract Group reuniram jornalistas na sua sede em Cartersville, nos Estados Unidos. Na mesa, perguntas sobre os projetos de interiores corporativos pelo mundo: acabou a era do escritório-brincadeira com mesas de pingue-pongue? Open space tem futuro? Escritórios de advocacia serão sempre ambientes sérios? Muitas dessas questões são difíceis de prever, mas diante das rápidas mudanças em cenários econômicos ou de tecnologia, há um caminho certo: é preciso oferecer soluções flexíveis. Seja para aumentar ou diminuir o staff, seja na diversidade de usos de um mobiliário. As principais empresas na área de interiores corporativos estão seguindo essa ideia e mostraram na Neocon, feira realizada em Chicago de 13 a 15 de junho, soluções que integram funcionários, lhes dão oportunidade de personalizar seu espaço e de também compartilhá-lo. Alguns desses sistemas estão na reportagem sobre a feira publicada nesta edição.

Este número, aliás, está recheado de projetos corporativos. São três exemplos brasileiros de diferentes tamanhos e em áreas distintas: uma agência de publicidade, um escritório de advocacia e uma instituição financeira. E trazemos o Leblon Offices, projeto de Richard Meier no Rio de Janeiro: branco (claro), com brises que controlam o calor e a luminosidade, com recuo no lote e dois jardins verticais - e com muitos detalhes na seção Aulas de projeto.

"Mire veja: o mais importante e bonito, do mundo, é isto: que as pessoas não estão sempre iguais, ainda não foram terminadas - mas que elas vão sempre mudando"
João Guimarães Rosa, em Grande sertão: veredas

Viajamos também a Veneza, com reportagem de Roberto Boettger e Olivia Marra, para saber como foi a Bienal de Arquitetura por lá. Já em São Paulo, ansiosos pela nossa Bienal, conversamos com Marcos Rosa e Catherine Otondo, integrantes da equipe que organiza a 11ª Bienal de Arquitetura de São Paulo para saber: vamos levar a discussão sobre arquitetura para as ruas? A resposta é positiva e a expectativa é grande, com detalhes sobre a mostra na entrevista desta edição.

01 de Julho de 2016