Edição 237

A busca de recordes de altura criou ícones mundiais da arquitetura urbana em Dubai, Nova York e Xangai. A motivação simbólica e o desejo de expressar força econômica explicam a maioria dos empreendimentos. Às vezes, porém, a busca "para o alto" responde à necessidades reais, como preços elevados dos terrenos, grande densidade demográfica e a falta de espaços adequados.
O balneário catarinense de Camboriú, com pouco mais de 100 mil habitantes, chega a receber 10 vezes sua população no auge do verão. Para acomodar tantos turistas numa faixa de pouco mais de 5 quilômetros, a saída também foi para cima. A cidade apelidada de "Dubai brasileira" desponta na lista com mais edifícios altos per capita na América Latina. Até 2019, terá pelo menos oito edifícios com mais de 200 m de altura, além de uma lista grande de empreendimentos com mais de 150 m.
Construções altas estão sujeitas a cargas complexas de vento, recalques consideráveis de fundação e comportamentos de frequência difíceis de serem analisados. Aspectos de segurança e conforto são definidores do design e dos materiais que serão utilizados em fachadas e instalações. Além disso, é preciso pensar na manutenção e vida útil de componentes expostos a usos mais severos.
Esta nova tendência do mercado imobiliário brasileiro vem criando centros de especialidade para ensaios de vento, análise dinâmica de frequências, estudos de sondagens e outras informações de prototipagem para validação estrutural. É disso que trata nossa reportagem de capa, que destaca os novos arranha-céus em construção no país e os desafios em cada obra na palavra dos projetistas e engenheiros envolvidos. Afinal, os esforços técnicos e os investimentos são igualmente aéreos.
Nesta edição, também vale destacar os cases das empresas que começam a colher resultados com o uso do BIM. Nossa reportagem dedicada à tecnologia partiu do Prêmio de Excelência BIM promovido pelo SindusCon-SP para mostrar como as construtoras estão tirando partido desse conceito nas etapas de orçamento, planejamento e execução das obras.

01 de Dezembro de 2016